Versão OriginalMenu
Midiamax | terça, 7 de julho de 2020 - 15h55

Bolsonaro se reuniu com ao menos 48 políticos e empresários na última semana

Em alguns desses encontros, o presidente não usou máscaras e apertou as mãos ou abraçou alguns dos seus interlocutores

Diagnosticado com covid-19 nesta terça-feira, 7, o presidente Jair Bolsonaro se encontrou com ao menos 48 pessoas, entre ministros, deputados, o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, empresários e presidentes de times de futebol, nos últimos oito dias, segundo sua agenda oficial. Em alguns desses encontros, o presidente não usou máscaras e apertou as mãos ou abraçou alguns dos seus interlocutores.

O período de incubação do novo coronavírus varia de 2 a 14 dias, mas é mais comum que os sintomas se manifestem entre o quinto e o sétimo dia após a infecção, segundo os estudos mais recentes. Ainda não se sabe ao certo a partir de qual dia o paciente pode transmitir a doença, mesmo sem manifestar sintomas, mas diversos estudos já mostraram que o indivíduo pode, sim, repassar o vírus para outras pessoas no período pré-sintomático.

Em um estudo publicado na Nature Medicine em abril, por exemplo, os pesquisadores acompanharam um grupo de 94 pessoas com diagnóstico positivo de covid-19 e verificaram que quase metade (44%) foi infectada por pessoas sem sintomas.

LEIA TAMBÉM:  

Advogado que liderou movimento contra isolamento na Argentina morre de covid-19

15h15 - 07/07/2020  

Aumento de casos faz Estados americanos fecharem novamente e exigirem máscaras

14h55 - 07/07/2020

Em algumas das agendas do presidente houve aglomeração de pessoas em ambientes fechados. Na sexta-feira, dia 3, houve um almoço no Palácio da Alvorada com ministros e empresários – também com apertos de mão, abraços e sem máscaras. Articulado pelo presidente Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, o encontro reuniu Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco, Francisco Gomes, da Embraer, Rubens Ometto, da Cosan, e Lorival Nogueira, da BRF.

No sábado, 4, Bolsonaro foi à residência do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, com ministros e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente da República. Ele não usou máscara e se confraternizou com abraços, de acordo com imagens divulgadas pela Presidência da República. Na noite de segunda-feira, a embaixada informou que Chapman também faria o exame para covid.

Segundo a agenda oficial, o presidente esteve com seis ministros e um secretário especial na segunda-feira, 6. Alguns assessores, como os ministros Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), também realizaram o exame e despacharam no Palácio do Planalto nesta terça-feira.

As reuniões na segunda-feira foram com Paulo Guedes (Economia), Braga Netto (Casa Civil), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e Levi Mello (Advocacia-Geral da União). A última agenda ocorreu às 16h40 com o secretário especial de Cultura, Mário Frias.

SAIBA MAIS:

Vamos fazer quatro grandes privatizações em até 90 dias, diz Guedes em entrevista

Brasil receberá 10 toneladas de material de saúde doados pelos Emirados Árabes

‘O agronegócio não precisa da Amazônia’, diz ministra da Agricultura

Renato Feder: agradeço, mas declino do convite para o MEC

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL- GO), também se reuniu com Bolsonaro, mas em um encontro reservado fora da agenda. O parlamentar aguardava os resultados do exame do presidente para se submeter a um teste. Major Vitor Hugo e Bolsonaro almoçaram juntos no Palácio do Planalto em um encontro fora da agenda. O parlamentar entrou na lista de cotados para o Ministério da Educação.

Exame

Bolsonaro revelou nesta terça-feira que contraiu o novo coronavírus. O exame foi feito na última segunda-feira, 6. Ao contrário do que ocorreu nas outras vezes, quando usou codinomes, Bolsonaro utilizou seu próprio nome neste exame.

O presidente já havia realizado três testes para detectar a covid-19. Dois deles, feitos no laboratório Sabin, estavam registrados em nome de outras pessoas, mas continham o CPF e a data de nascimento de Bolsonaro. Um terceiro, feito pelo laboratório Fiocruz, continha apenas “Paciente 05” como identificação, sem nenhum outro dado. O presidente disse que utilizou “codinomes” para fazer os testes e os laboratórios disseram não ter como comprovar que as amostras eram mesmo de Bolsonaro.

Subir ao TopoVoltar
PlataformaPlataforma de Notícias DothNews